Prefeitura Municipal de Amparo

pagina_de_conteudo

Compartilhe:

sexta-feira, 04 de fevereiro de 2011 - 15:44:46

Pontos turísticos

Casa do Artesanato 
Local: Praça Pádua Salles, 160 - Centro
(antigo prédio da Estação da Mogiana) 
Horário de funcionamento: segunda a sexta, das 08h00 as 12h00 e das 13h00 as 17h00
Sábados, domingos e feriados, das 09h00 às 18h00

Museu Histórico Pedagógico “Bernardino de Campos”
End: Rua Luiz Leite, nº 07 – Centro. 
Fone: (19) 3807-2742 - FAX: 3817 3002 

Parque Ecológico, Orquidário “Dr. Paulino Recch” - Observatório Municipal
End: Rua Salermo, s/nº - Bairro Jardim das Orquídeas. 
Fone: (19) 3807-9088
Horário de atendimento:Terça à Domingo e feriados das 08:00 às 11:00 h das 13:00 às 17:00 hs
Entrada franca – OBS: Sexta-feira Santa / Natal / 1º de Janeiro - fechado

Observatório Municipal
End: Rua Salermo, s/nº - Jardim das Orquídeas 
Fone: (19) 3807 9088
Horário de Atendimento: Segunda a Sexta somente para grupos (agendar visita) 
Sábado das 20:00 às 23:00 horas. Domingo fechado.

Pinacoteca Municipal “Dr. Constâncio Cintra”
Endereço: Pádua Salles nº 160 - Centro / cep:- 13.900-410 Fone: (19) 3807- 9400

Biblioteca Pública Municipal “Carlos Ferreira”
End: Praça Monsenhor João Baptista Lisboa, nº 141- Centro / cep 13.900-000 
Fone: (19) 3807-2508
Horário de atendimento - de Segunda-feira à Sexta-feira, das 09:00 às 19:00 horas
Sábado das 08:30 às 12:00 horas. Entrada franca.

Parque “Alonso Ferreira de Camargo” – Jardim Público
End: Rua Humberto Bereta, s/n
Mercado Municipal
End: Praça Dr. Araújo, s/nº - Centro
Horário de Atendimento: 07:00 às 18:00 h

IGREJAS
Catedral Nossa Senhora do Amparo
End: Praça Monsenhor João Baptista Lisboa, s/nº - Centro - Fone: (19) 3807-5748
Horários de missa: de Terça à Sexta-feira às 07:00 horas, Sábados às 19:00 horas e Domingo às 10:00 e às 19:00 horas - Fax: (19) 3807-2193
* Horário de funcionamento da Catedral
Segunda a sexta: 08h00 as 11h00 e das 13h00 as 16h45 
Sabado: 08h00 as 12h00 e das 18h00 as 20h30
Domingo: 09h00 as 11h00 e das 18h00 as 20h00
Feriados: Se o feriado for religioso segue o horário normal do dia da semana. Se não for religioso segue o horário de domingo.

Igreja de São Benedito
End: Largo São Benedito, nº 117 – Centro Fone: (19) 3807-4320
Horário de funcionamento da igreja: das 07:00 às 19:00 todos os dias
Horário de missa: de Segunda à Sábado às 19:00 horas, Domingos às 06:30, às 08:30 e às 18:00 horas.

Igreja São Sebastião
End: Rua Cacilda Becker, nº 137 - Bairro Ribeirão Fone: (19) 3807-2648
Horário de funcionamento igreja: das 08:15 às 11:00 e das 13:15 às 17:00 de Segunda à Sexta feira e aos Sábados das 08:00 às 12:00 horas. Domingo nos horários da missa
Horários de missa: Sábado às 18:30 horas e Domingo às 07:00 e às 10:00 horas

Igreja São João Batista
End: Av. Europa, nº 220 -Bairro Jardim Camanducaia Fone: (19) 3807-3065
Horário de funcionamento da igreja: Segunda a Sexta: 8 às 12 horas e das 13 às 17 horas
Sábado: 08h00 as 12h00. domingo nos horários de missa.
Horários de missa: de Terça à Quinta-feira às 19:30 horas, Sábados às 18:00 horas e Domingo às 08:00 e às 19:00 horas

Igreja do Rosário
End: Largo do Rosário - Fone: (19) 3807-5748
Horário de missa: Domingo às 07:00 horas e quinta – feira a partir das 18h30
Aberta para visitação somente no mês de outubro.

PATRIMÔNIO HISTÓRICO CULTURAL

Pinacoteca “Dr. Constâncio Cintra”
Criada em 09 de março de 1974, foi inaugurada oficialmente em 08 de abril de 1974. A denominação de Pinacoteca Municipal “Dr. Constâncio Contra” foi dada por um abaixo assinado de diversos artistas que doaram 36 obras para o acervo. A Pinacoteca esteve instalada, por algum tempo, na antiga Casa do Chefe da Estação da Praça Pádua Salles. Em novembro de 1989, quando de sua reinauguração, foi homenageado o artista plástico Humberto Frediani com placa de bronze que denomina o recinto de Espaço Cultural “Humberto Frediani”. A Pinacoteca conta hoje com cerca de 400 obras em seu acervo, resultado de ações e aquisições. Hoje a Pinacoteca está localizada no Espaço Cultural Edú Bastos.

Estação Ferroviária da Companhia Mogiana
Esta Estação, foi inaugurada em 1875, e era parte do Ramal que ligava Jaguariúna à Socorro. O Ramal foi extinto em 02 de janeiro de 1967, com a última partida do trem misto que veio de Monte Alegre do Sul às 16:00 hrs. A inauguração da Estação foi feita pelo Presidente da Província Dr. Sebastião José Pereira que chegou em Amparo às 15:00 hrs do sai 15 de novembro de 1875, acompanhado da Diretoria da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro. Naquela ocasião, a Estação foi benta pelo vigário Antônio José Pereira e discursaram, entre outros, os doutores Bernardino de Campos e Francisco Glicério. Hoje o prédio da estação: abriga a Pinacoteca, o Centro de Informações Turísticas e Culturais e a Casa do Artesanato. O prédio que servia de moradia ao chefe da Estação, abrigou por muito tempo a Pinacoteca Municipal “Dr Constâncio Cintra” e ao Exército como Junta de Alistamento Militar

Praça Pádua Salles – Largo da Estação 
Centro de lazer onde se encontram vários marcos da cidade como o Monumento aos Expedicionários, o Índio e o Obelisco do Centenário da Independência do Brasil. Nela encontramos o prédio da antiga Estação e Cia. Mogiana. A antiga casa do Chefe da Estação onde hoje funciona a Pinacoteca e a Casa da Cultura. Na praça podemos encontrar ainda o CITEC - Centro de Informações Turísticas e Culturais, a Casa do Artesanato, a Pinacoteca e a Rádio Cultura .

Biblioteca Municipal “Carlos Ferreira”
Fundada em 27 de abril de 1900 com o nome registrado de Grêmio Literário “Carlos Ferreira”, numa homenagem ao poeta, jornalista e professor gaúcho que, naquele tempo, dirigia um estabelecimento de ensino em Amparo. Como Grêmio Literário foi chamado durante setenta anos pois, somente em 29 de setembro de 1970 é que a Lei Municipal “Carlos Ferreira” reformulada em 1995 passando a ser “Acervo Alberto”. O acervo até o ano de 2008 era de 23.000 volumes e a média de freqüência mensal é de cerca 5 mil consulentes, contando com mais 9.000 inscritos.

Parque Municipal Chico Mendes – Cristo Redentor
Colocado no “Morro da Biquinha”, na gestão do Prefeito Antônio Andretta, mede 12 metros de altura e é iluminado por grandes holofotes. Foi construído pela firme “O. Papaiz” de Campinas e montado pelos funcionários da Prefeitura Srs. Anselmo de Godoy e Carlos Azevedo. Foi inaugurado em 1966 pelo governador do Estado Dr. Laudo Natel, juntamente com a Feira do Produtor, 1º Feira Industrial de Amparo. Hoje o local chama-se “Parque Chico Mendes” que foi reinaugurado em 06/04/1986.
Parque equipado com lanchonete, play ground e estacionamento. Além de proporcionar vista panorâmica de toda a cidade.
Altura do Morro – 92m
Altura da estátua – 12m
Altura da base – 5,20m
Total – 17,20m
Acesso – 863m

Parque Dr. Arruda (Caixa D'Água)
Em terreno localizado na parte alta da cidade, foi construída a Caixa D'Água, lembrando uma fortaleza, utilizando pedras sobrepostas, com escadarias um chafariz datado em 1905, grades de ferro, colunas de ferro fundido e ao redor amplo jardim. O engenheiro responsável foi José Alves Paes Leme auxiliado por Antônio Gomes Teixeira. O abastecimento de água de Amparo era garantido pela fonte de Bertoldo, do Arruda e do Morro da Biquinha. Atualmente, ao lado desta construção está a Estação de tratamento do SAAE, responsável pelo abastecimento de toda a cidade. O jardim transformou-se em um importante “viveiro” de plantas, onde eram semeadas e cultivadas as espécies vegetais utilizadas nas nossas praças e jardins.

Parque Alonso Ferreira de Camargo ( Jardim Público)
Com a transferência do Cemitério Público para o local onde hoje funciona a E.E.P.S.G. “Dr. Coriolano Burgos”, em 1887, executaram o aterro em toda a área para transformá-lo em um Parque. Em 1888 a população custeou obras de ajardinamento que foram concluídas em duas etapas. A 1ª etapa encerrou-se em 1889 e a 2ª em 1895.

Parque Ecológico Municipal
A Câmara Municipal. Em 30 de maio de 1892, escolheu o local para a construção do Leprosário de Amparo. A concorrência pública para a construção do Hospital aconteceu em 08 de maio de 1894 e as obras foram realizadas em meio a uma área verde, sendo concluídas em 1896. Os engenheiros responsáveis pela construção foram: José Ricardo de Aguiar e Theodoro Sampaio. Desativado há muitos anos, ficou sem utilização específica e ali se instalou, em 1912, um orquidário com cerca de 30 mil mudas do pesquisador Dr. Paulino Moser Rech. As pesquisas efetuadas por Paulino Rech, nas áreas botânica e entomologia, foram reconhecidas por vários países europeus e pela Rússia. Após a morte do Dr. Paulino Rech, em 1970, a Prefeitura Municipal adquiriu seu acervo de orquídeas e criou o Orquidário Municipal que leva seu nome. Hoje, o Orquidário foi englobado pelo Parque Ecológico Municipal e possui uma área de 26.000 m².

Observatório Municipal
Observatório Municipal de Amparo foi inaugurado no dia 26 de abril de 1996, junto com o Parque Ecológico Municipal e o Centro de Educação Ambiental.
Construído em um local de fácil acesso aos visitantes, o Observatório Municipal de Amparo tem como objetivo principal divulgar e difundir a Astronomia, para crianças, jovens e adultos. Sessões de observação do céu, aulas e cursos, são as principais atividades realizadas pelo Observatório. Elas vêm colocando ao alcance dos interessados os conceitos básicos da fascinante ciência que estuda os astros, a Astronomia.
Observando com telescópios as crateras da Lua, os belíssimos anéis de Saturno ou as luas de Júpiter, ou ainda identificando a olho nu os planetas e as constelações, os visitantes têm a valiosa oportunidade de conhecer, de uma forma agradável e divertida, o fascinante e misterioso Universo em que vivemos. 
Sendo um importante espaço para a cultura, o lazer e a difusão científica, o Observatório Municipal é um dos oito observatórios municipais existentes no estado de São Paulo e, em mais de dez anos de existência já realizou centenas de atividades de ensino e difusão de Astronomia e Ciências, voltados para estudantes, professores e curiosos

Museu Histórico “Bernardino de Campos”
O Museu mais completo de todo o Estado de São Paulo. Prédio construído no ano de 1885, foi residência do Barão do Socorro. Inaugurado solenemente a 29 de novembro de 1975, o Museu Histórico e Pedagógico de Campos constitui – sendo o mais importante patrimônio histórico–cultural da região do Circuito das Águas. Ele dispõe de um rico acervo, com aproximadamente 12.000 peças originais, constituindo de mobiliário do século XIX, vestuário, instrumentos musicais, troles, carros fúnebres de tração animal, porcelanas, coleções de minerais e insetos, instrumentos e aparelhos de antigas boticas e farmácias e milhares de obras, muitas delas bastante rara e algumas únicas em todo o País. Devido à diversidade de seu acervo, o Museu Belarmino de Campos é considerado o mais completo do Estado de São Paulo, atraindo turistas e pesquisadores do Brasil e do Exterior. O Museu está distribuído em vários ambientes, destacou-se, entre eles, o Salão Nobre com belíssimas peças de porcelanas, móveis e oratórios e uma bela coleção de fotos antigas da cidade – permitindo ao visitante empreender uma viagem aos tipos, aos tempos do Brasil do Império e do Brasil República; a sala da Revolução Constitucionalista de 1932 que mantém o maior conjunto de peças e obras deste importante movimento; a sala da História Natural, com uma interessante coleção de borboletas e mariposas, além de fósseis e outros animais; a sala de Instrumentos Musicais, com piano, violinos, clarinetes do início do século; o Espaço das Farmácias e Boticas, com instrumentos cirúrgicos, aparelhos e peças antigas que pertenceram aos hospitais e profissionais de Amparo e o Salão de Veículos, com um imponente Ford 28, dois carros fúnebres de 1909.

A Mogiana
Inauguração: 15.11.1875
Uso atual: Pinacoteca, CITEC e Casa do Artesanato sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1938 
HISTÓRICO DA LINHA: O ramal de Amparo foi o primeiro dos ramais construído pela Mogiana, em novembro de 1875, ligando Jaguary (Jaguariúna) a Amparo. Em 1890, a Companhia prolongou o ramal até Monte Alegre. Quando em 1945 a Mogiana alterou o traçado da linha em Jaguariúna, o ramal continuou partindo da estação nova, em local diferente da original. Em 1965, o tráfego de trens foi suprimido entre Amparo e Monte Alegre, e, em 1967, o que sobrou do ramal também foi extinto. Os trilhos foram retirados não muito depois. Ao contrário de outras linhas, neste ramal todos os edifícios das estações sobrevivem até hoje.
A ESTAÇÃO: A estação de Amparo foi inaugurada em 1875, dando nome ao ramal. Foi construída em terrenos cedidos gratuitamente pelo Comendador Zeferino da Costa Guimarães (*RM-26/07/1874). Em 1938, ganhou um novo prédio, bastante grande e bonito, para uma estação de ramal. "Naqueles idos dos anos 60, embarcávamos em Campinas naqueles longos trens azul-amarelo e 30 km depois, descíamos em Jaguariúna. Baldeação para Amparo, a composição já aguardava pronta na linha 2 ou 3 uma locomotiva azul-amarela puxando um correio-bagageiro, um carro de primeira e um de segunda classe, e às vezes, um vagão de carga e um gaiola também. Meu tio era maquinista das vaporosas e diesel dos ramais de Amparo e Socorro, e hoje, com mais de 80 anos, ele afirma que a locomotiva diesel que ia de Jaguariúna a Amparo era chamada pelos maquinistas por '60', acho que era uma GL... Em Amparo, enquanto ocorria o embarque e desembarque de passageiros, carga e descarga de encomendas e do correio, desengatavam a locomotiva diesel e engatavam a vaporosa que seguia para o ramal de Socorro, pois diziam que os trilhos e raio das curvas impediam que a diesel chegasse até Socorro, atingida cerca de duas horas depois. As estações eram edifícios tão caros a nós como eram a igreja da cidade, nossa casa, a escola, etc. Quando desativaram o ramal de Socorro, lembro-me que os mais idosos de Monte Alegre do Sul diziam que seria o fim da cidade, tal era o amor a integração pessoas-ferrovia: parentes ferroviários, meio de transporte para viagem e para encomendas - até leitoas vivas para Ribeirão Preto nós embarcávamos às vésperas do Natal - para enviar e receber telegramas" (Ubirajara Inácio de Godói, Ribeirão Preto, 03/2003). Em 01/04/1966, o depósito de locomotivas da estação foi fechado. Poucos meses depois, em 16/09, o resto do ramal, até Monte Alegre, foi extinto, juntamente com o ramal de Socorro. Finalmente, a estação de Amparo foi fechada em 3/1/1967, junto com o trecho Jaguariúna-Amparo, e transformada em agência rodoferroviária pela Mogiana (*RM-1967). Hoje (2003), depois de servir como sede da rádio FM é o cinema da cidade. Está como era na época em que estava ativa, e muitíssimo bem conservada. Fica no centro da cidade. 
(Fontes: Relatórios da Mogiana, 1872-1967; Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, IBGE, 1958; Álbum da Mogiana, c. 1910; Hermes Hinuy; Elias Vieira; Kelso Medici; Ubirajara Inácio de Godói, 2003)
Fonte: http://www.estacoesferroviarias.com.br/a/amparo.htm



Prefeitura Municipal de Amparo - Estância Hidromineral
Av. Bernardino de Campos, 705 - Centro - Cep: 13.900-400 - tel. (19) 3817-9300
© Todos os Direitos Reservados

Este site foi feito com Drupal, um sistema aberto de gerenciamento de conteúdo.

Prefeitura Municipal de Amparo - Estância Hidromineral

Av. Bernardino de Campos, 705 - Centro - Cep: 13.900-400 - tel. (19) 3817-9300
© Todos os Direitos Reservados